domingo, 23 de maio de 2010

Forever Freedom


Conteúdo: 1 litro - cód. 196.

É o suco de aloe vera feito do puro gel de aloe, acrescido de suco de laranja. Rico em fibras, contém vitaminas, aminoácidos, minerais e enzimas importantes em nosso metabolismo diário.


Vitaminas: C e E.

Minerais: magnésio, manganês, zinco, cobre, cromo, cálcio, sódio e potássio.

Aminoácidos: oferece 7 dos 8 aminoácidos essenciais que não podem ser fabricados pelo corpo e têm que ser adquiridos através da alimentação.
Forever Freedom é constituído do puro gel de Aloe vera estabilizado combinado a três nutracêuticos que o diferenciam das outras bebidas e lhe dão propriedades sui generis - o sulfato de glucosamina, o sulfato de condroitina e o metil sulfonil metano (MSM).

Como alimento funcional, Forever Freedom ajuda a prevenção e a reversão das disfunções e doenças relativas aos tecidos conjuntivos, como as artrites, hoje consideradas incuráveis sob o prisma farmacológico e, conseqüentemente, da medicina ortodoxa.

A regeneração dos tecidos conjuntivos é um processo permanente que depende da biodisponibilidade de matéria-prima. De natureza atóxica e livre de qualquer efeito colateral.

Forever Freedom se destaca na:

Manutenção e regeneração da integridade dos tecidos conjuntivos.

Prevenção e reversão dos processos degenerativos relativos à deterioração dos tecidos conjuntivos.

Combate aos quadros inflamatórios e à síndrome da dor das artrites, fibromialgia, tendinites etc, assim como ao envelhecimento da pele, unhas e cabelos, à flacidez, celulite, hemorróidas, câimbras etc.

O ENXOFRE E O ORGANISMO HUMANO

Dos 20 aminoácidos hoje conhecidos, seis são sulfúricos - cistina, cisteína, homocisteína, homocistina, metionina e taurina. No organismo, as maiores concentrações de enxofre se encontram no colágeno e na queratina, o que explica a tradição dos banhos de águas sulfurosas contra a artrite e problemas de cabelos, unhas e pele - acne, eczema, dermatite, psoríase etc.

Em relação às membranas celulares, é o enxofre que em grande parte determina o grau de:

Permeabilidade

dos canais protéicos, por onde entram os nutrientes hidrossolúveis e saem as toxinas residuais metabólicas (lixo ácido);

Flexibilidade

que determina a agilidade de locomoção das enzimas, hormônios, células do sistema imunológico (neutrófilos, macrófagos, linfócitos etc.) através dos tecidos conjuntivos e a rapidez com que atingem seus alvos.

O enxofre, uma vez assimilado, se mantém na circulação sangüínea por cerca de 12 horas. Por isso, através dos alimentos, suplementos ou aplicações tópicas, ele precisa ser suprido ao organismo no mínimo duas vezes ao dia. A baixa concentração de enxofre na alimentação contemporânea e a redução da capacidade digestiva e assimilativa são as principais causas da diminuição dos níveis de MSM no plasma sangüíneo e, conseqüentemente, da atual epidemia de quadros de osteoartrite, síndrome da dor e uma infinidade de disfunções tissulares, orgânicas ou sistêmicas. As plantas que mais o concentram MSM são a Aloe vera, também conhecida como "planta milagrosa" e o alho, o "rei das ervas", e ambos fazem parte da lista das dez plantas mais apreciadas em toda a história da humanidade.

OUTRAS FUNÇÕES ORGÂNICAS DO ENXOFRE

Coagulação do sangue.

Controle da qualidade da união dos aminoácidos que formam as proteínas.

Conversão das proteínas, carboidratos e gorduras em energia.

Formação dos ácidos biliares, fundamentais à digestão e absorção das gorduras.

Funcionamento de inúmeras enzimas, incluindo a glutationa e a coenzima A.

Síntese das vitaminas B1 (tiamina) e B8 (biotina).

Produção do hormônio da insulina.

Utilização do oxigênio

Enxofre, o mineral da beleza e do "alto astral" Credita-se ao enxofre:

A intensidade do brilho dos olhos.
A luminosidade e a suavidade dos cabelos.
A resistência e flexibilidade das unhas.
A maciez, clareza e frescor da pele.
A capacidade de adaptação ao estresse.
A sensação de bem-estar.
O bom humor e entusiasmo pela vida.
O estado de alerta mental.

Por ser fator determinante à qualidade das fibras de colágeno e queratina, qualquer carência de enxofre gera ligações cruzadas, cujas conseqüências são:

* Pele grossa e enrugada.
* Cabelos e unhas fracos e quebradiços.
* Celulite, estrias, varizes e hemorróidas.
* Endurecimento das artérias e enfisema.
* Cartilagens, tendões e ligamentos enrijecidos e vulneráveis a lesões e inflamações;
Cicatrizes nos órgãos internos que comprometem o seu funcionamento.

O SULFATO DE GLUCOSAMINA

O sulfato de glucosamina é um nutracêutico à base de enxofre, glicose e glutamina. Sua biodisponibilidade é essencial à síntese dos:

glicosaminoglicanos (GAG) elemento responsável pela resistência dos tecidos conjuntivos, cujas maiores concentrações se encontram nos tendões e cartilagens, ossos, parede dos vasos sangüíneos e linfáticos;

proteoglicanos substância fundamental dos líquidos extracelulares, principalmente dos tecidos cartilaginosos como o das juntas e traquéia.

ácido hialurônico do qual depende o líquido sinovial que amortece os impactos e lubrifica as articulações.


Se o processo regenerativo das cartilagens, por exemplo, não for perfeito, seja por deficiência nutricional ou enzimática, a cabeça dos ossos fica desprotegida e o atrito gerado pelos movimentos passa a irritá-la e a desgastá-la, gerando a inflamação, a dor e os processos degenerativos típicos dos quadros artríticos. Diante da carência do sulfato de glucosamina na alimentação contemporânea, sua suplementação diária passou a ser caso de saúde pública. Do contrário a tendência é a má formação e deteriorização dos tecidos conjuntivos.

O Potencial Nutracêutico do Sulfato de Glucosamina

O sulfato de glucosamina orgânico mais utilizado como suplemento alimentar é extraído do Krill e das cascas de camarão, caranguejo e lagosta.
É uma substância atóxica.
Não interfere em qualquer medicamento ou função do organismo.
O sulfato de glucosamina funciona como um antiinflamatório e analgésico à medida que a estrutura dos tecidos conjuntivos se regenera.
Sua ação difere, portanto, daquela dos medicamentos farmacológicos já que esses não apenas se limitam à supressão dos sintomas como inibem qualquer processo de regeneração dos tecidos e aumenta o grau de acidez do sangue, linfa e líquidos extracelulares.
Como o aumento dos níveis de acidez gera a elevação do número de radicais livres. Indiretamente os fármacos intensificam o processo degenerativo e perpetuam a cronicidade dos problemas osteoarticulares. Ignorando a possibilidade de revertê-los, a medicina ortodoxa pontifica que esses quadros só pioram com o passar dos anos.
Entretanto, de acordo com a observação de alguns especialistas no assunto: Nas duas primeiras semanas, o potencial analgésico do Ibuprofeno (antiinflamatório não esteroidal) mostrou-se superior ao da glucosamina.
No final da oitava semana, porém, aqueles que haviam consumido Ibuprofeno sentiam dores ainda mais intensas do que no início do estudo, enquanto que naqueles que haviam feito uso da glucosamina a dor tinha sido drasticamente reduzida. (Vaz, 1982) O sulfato de glucosamina é a melhor opção via oral para os tratamentos prolongados contra os quadros reumáticos. (Setnikar, 1991)
O único problema do sulfato de glucosamina é que sua ação (antiinflamatória) sobre a osteoartrire é mais lenta. (Noack, 1994).
O potencial analgésico do sulfato de glucosamina sobre os quadros artríticos está condicionado à regeneração das cartilagens - efeito modificador da doença -, o que o difere dos analgésicos e antiinflamatórios farmacológicos. Por isso, ele deve ser substituído pelos compostos sintéticos ou, no mínimo, ser adotado como nutriente terapêutico. (Ruane 2002)
O sulfato de glucosamina funciona como um antiinflamatório sem produzir qualquer efeito colateral adverso. Hua (2002) O fator tempo, relativo à ação do sulfato de glucosamina, entretanto, é imensamente reduzido quando ele se encontra em sinergia com o potencial antiinflamatório e de regeneração tissular do gel da Aloe vera, o sulfato de condroitina e o metil sulfanil metano (MSM), como no Forever Freedom.

O sulfato de glucosamina - um agente condoprotetor

Agentes condoprotetores (ACP) são aqueles que freiam a evolução da doença. Por isso as propriedades anti-reativas e antiartríticas do sulfato de glucosamina fizeram com que ele seja qualificado como tal e utilizado como nutriente modificador da osteoartrite. (Setnikar 1992). Por outro lado, o potencial de ação dos analgésicos, antiinflamatórios não esteroidais e corticóides farmacológicos, sem falar nos seus efeitos colaterais, não vai além do alívio temporário da dor e da inflamação, sem jamais atingir a causa da qual depende o verdadeiro processo de cura.

A BIODISPONIBILIDADE DA GLUCOSAMINA

O sulfato de glucosamina, como suplemento alimentar contra a artrite, é bastante superior à cartilagem animal, devido ao tamanho reduzido de suas moléculas, o que faz com que seu grau de biodisponibilidade seja de até 90%. (Setnikar, 1993) Naturalmente atraídas pelas cartilagens, elas promovem a síntese dos mucopolissacarídeos. Portanto, ele é matéria-prima essencial não apenas à síntese das cartilagens, como dos ossos e das paredes dos brônquios, da bexiga, do útero, do trato gastrintestinal, dos ductos sangüíneos e linfáticos etc.

Conclusão: O sulfato de glucosamina é uma substância orgânica, rapidamente reconhecida e facilmente assimilada pelo organismo, sem contra-indicação alguma. Sua presença não produz estresse oxidativo ou interfere com a ação de qualquer medicamento. Embora já tenha circulado como boato a hipótese de ele provocar a resistência à insulina e aumentar os níveis de açúcar no sangue, as comprovações científicas mostram exatamente o contrário - o sulfato de glucosamina promove a redução ou mantém inalterado o nível de açúcar no sangue. (Rovati, 1999; Echard, 2001; Reginster, 2001) Estudos científicos também atestam sua eficiência contra a degenerescência das juntas da bacia, coluna, cotovelo, dedos, joelhos, maxilar, ombros, punhos, tornozelos etc. (Noyszews-ki, 2001; Aghazadeh Habashi, 2002; Fujita, 2002; Oegema, 2002; Pavelka, 2002; Phoon, 2002).

Por ser mais fácil (e inteligente!) prevenir do que remediar, todos, mas principalmente os atletas e desportistas, pessoas que fazem movimentos repetitivos e as que já passaram dos quarenta anos, deveriam fazer dele um aliado através do seu uso contínuo, já que sua presença é fundamental ao processo de regeneração dos tecidos conjuntivos.

O sulfato de condroitina, um glicosaminoglicano de cadeia longa, também é matéria-prima fundamental dos tecidos conjuntivos, já que dele depende:

-A hidrofilia e viscosidade do líquido sinovial, pois aumenta a concentração de ácido Hialurônico;

- O grau de hidratação dos tecidos conjuntivos, atraindo moléculas de água e abrindo espaço para que elas se fixem;

- A integridade dos proteoglicanos - matéria prima fundamental da matriz extracelular;

- Os níveis de elasticidade e de resistência das articulações às forças de compressão e impacto a que são permanentemente submetidas;

A neutralização do excesso de radicais livres e inibição das enzimas que degradam as cartilagens danificadas.

O sulfato de condroitina é igualmente crucial para as cartilagens que, desprovidas de vasos sangüíneos, são totalmente dependentes das moléculas de água da matriz extracelular para:

- Receber os nutrientes e o oxigênio necessários ao metabolismo celular.

- Manter o meio ambiente livre de resíduos metabólicos (lixo ácido), células danificadas, metais pesados etc., que acidificam os tecidos e geram excesso de radicais livres.

O sulfato de condroitina, tal como o sulfato de glucosamina, também é um condoprotetor, contribuindo para a eliminação da causa da degradação tissular e das dores artríticas - algo que fármaco algum, até hoje, mostrou ser capaz de fazer. Integrado aos tecidos da bexiga, ductos sangüíneos e linfáticos, ajuda a regularizar o movimento da urina, da linfa e do sangue, ao mesmo tempo em que previne sua coagulação excessiva. A única substância que contém quantidades significativas de sulfato de condroitina é a cartilagem animal, sendo que a melhor parece ser a cartilagem de tubarão.

O Potencial Nutracêutico do Sulfato de Condroitina

Inúmeros estudos comprovam que a suplementação do sulfato de condroitina não apenas retarda o progresso como reverte os quadros de osteoartrite. (Rovetta, 1991; Mazieres, 1992; Uebelhart, 1994; Moreale, 1996; Bourgeois, 1998; Bucsi, 1998; Verbruggen, 1998.) Grandes concentrações de sulfato de condroitina são encontradas nos glicosaminosglicanos dos ossos, daí ele ser indispensável à perfeita regeneração dos mesmos. (Moss, 1965)
Nas cartilagens, as conseqüências da sua suplementação só começam a ser percebidas após três meses de uso contínuo. O sulfato de condroitina também controla os níveis de colesterol e gorduras no sangue, ajudando a prevenir a aterosclerose e os ataques de coração, mesmo naqueles que já apresentam quadros ateroscleróticos. (Izuka K 1968; Morrison 1969, 1972 e 1973). O sulfato de condroitina também reduz a excreção do oxalato através das vias urinárias (Baggio 1991) - uma excelente notícia para aqueles com tendência a produzir pedras nos rins.

O sulfato de condroitina não interfere sobre a ação de qualquer medicamento.

Informações Nutricionais: O Forever Freedom é constituído pelo puro gel de Aloe vera barbadensis Miller estabilizado (87,8%), sulfato de glucosamina, sulfato de condroitina, metil sulfonil metano (MSM), concentrado natural de laranja, sorbitol e frutose.

120 ml de Forever Freedom contem a:

1500 mg de sulfato de glucosamina,

1200 mg de sulfato de condroitina,

720 mg de metil sulfonil metano,

250 mg de vitamina C. – 35Kcal

Os produtos anunciados não são destinados a diagnosticar, tratar ou prevenir uma doença específica. Deve-se sempre consultar o seu médico de família se tiver algum problema de saúde.